Entre rezas e curas vem a mudança

Hoje de manhã quando acordei, uma dorzinha no peito me alertava da quantidade de coisas que havia mudado. Em você, no meu quarto e principalmente em mim. Seis meses atrás, decretei que te arrancaria da minha vida, que esqueceria todos os cafunés e promessas ao pé do ouvido, mas eu falhei. Continuei te mantendo em mim e deixei que fizesse do meu coração um esboço das suas vontades.

A cada ponto que você dava, eu desesperadamente corria atrás de algo que pudesse transformar aquilo em vírgula, reticências e na pior das hipóteses, em exclamação. Mas a verdade meu bem, é que toda aquela bagunça de sinais desordenados, de longe parecia mais um amontoado de interrogações. As suas, as minhas e as que pertenciam ao destino. Interrogações exigem respostas. Respostas exigem de mim. E exigir, significa que alguma coisa tem que mudar.

Entendi isso. Mudei a cor do esmalte, a ordem dos móveis no meu quarto e a frase escrita na parede em frente a minha cama. Mudei também de curso na faculdade, de playlist e de saia predileta. O que eu não entendi, seis meses atrás, era o quê realmente precisava mudar, estava dentro de mim. um lugar tão escondido, que até eu desconhecia que aquilo existia.

Teria que mudar o modo de encarar a vida. Parar de mendigar sua atenção e pior ainda, mendigar seu amor. Seis meses escuros, percorri sozinha ao seu lado, tentando manter aquilo que você já tinha quebrado há tempo suficiente pra esquecer que te pertencia. A culpa foi minha, eu sei. Assumo a sentença.

Você, ah, você é só mais um cara que se envolveu com a romântica errada e não o contrário. Você, embora mais novo, conhecia mais do mundo e da vida do que eu, isso tenho que admitir. Admito também que ignorei todos os sinais que Deus e a vida, me deram durante esse caminho traiçoeiro. Não por falta de inteligência, vamos deixar claro, mas por falta de amor próprio, falta de fé em mim e principalmente, falta de fé no amor.

E cá entre nós, a gente pode falar baixinho, melhor seria se fosse por burrice, porque contra esses motivos aí, não há coletânea de livros de auto-ajuda que cure. Curar. Está aí uma coisa que eu desejei mais que você em todos esses meses. Talvez eu ter rezado tanto pra te ter por perto, me fez perceber que você queria mesmo era ficar longe e a partir disso, desejei essa palavrinha daí de cima, mais do que tudo. Rezei, acreditei em horas iguais, estrelas cadentes e qualquer outra coisa que em tese, tiraria você de mim. Sem sucesso. E sabe porque? Porque embora eu tivesse passado dias evitando o seu nome, a noite, o seu rosto era tudo que eu via.

E continuei a manter aquilo que mais me corroía perto o suficiente para que pudesse ter certeza do estrago que estava fazendo. E fez. Me perdi vezes o suficiente pra perder a conta das promessas que fiz caso algum dia me achasse, perdi também o rumo deste texto que antes era sobre você e agora em mim, parece mais um monólogo sobre tudo que fui na sua ausência. Fui boba, louca, sozinha, melancólica, feliz, confusa, sem cor e cheia de vida. Fui e voltei por caminhos que você nunca percorreu. Fiz e refiz todos os planos em que você estava incluído. Estava. Estava longe demais pra me ouvir ou para perceber. Preocupado demais com quem seria sua companhia no próximo final de semana. Preocupado demais com quem iria para o barzinho depois da aula na faculdade. Preocupado com todas aquelas que não te davam a mínima e que você queria ter na coleção. Fui a última adição, até então Última. Palavra forte essa né ?

Pois bem, último parágrafo do último texto da última vez que a dorzinha no peito me assombra por culpa sua. Última vez que te transformo no mais profundo e complexo texto do que realmente é. Último beijo, guarde ele aí. Último suspiro que você provoca. Daqui pra frente, vou encarar a última coisa que você fez pensando em mim, faz muito tempo não é? Vou te refrescar a memória. “Você me deixou”.

ass nath1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s